PÉLORAS DO ENEM…ANO: 2010

Sokorro…e nem sei pra q istudar

“O número de famigerados do MST almenta a cada ano seletivo.”

(e a burrice não “diminói”!!!)

MST.

“Os anaufabetos nunca tiveram chance de voltar outra vez para a escola.”

(nem de ir… Affff!!!)

alfabeto

“Vasilhas de luz refratória podem ser levadas ao forno de microondas sem
queimar.”

(alguém poderia traduzir???)

burro

“O bem star dos abtantes da nossa cidade muito endepende do governo federal
capixaba.

(vende-se uma máquina de escrever faltando algumas letras!!!)

máquina

“Animais vegetarianos comem animais não-vegetarianos.”

(algumas antas comem mulheres carnívoras, né?!)

vegtetal

“Não cei se o presidente está melhorando as insdiferenças sociais ou
promovendo o sarneamento dos pobres. Me pré-ocupa o avanço regresssivo da
violência urbana”

(“sarneamento” deve ser a aplicação das teorias do Zé Sarney… eu “axo”… mas não me “pré-ocupo”  muito…)

presidente 2

“Fidel Castro liderou a revolução industrial de 1917, que criou o comunismo
na Russia.”

(bom… deve ter sido o avô dele…)

fidel

“O Convento da Penha foi construído no céculo 16 mas só no céculo 17 foi
levado definitivamente para o alto do morro.”

(deve ter demorado o “céculo” inteiro pra fazer a mudança…)

convento

“Os índios sacrificavam os filhos que nasciam mortos matando todos assim
que nasciam.”

(pena que a mãe dessa anta não era índia…)

“No começo Vila Velha era muito atrazada mas com o tempo foi se
sifilizando.”

(deve ter sido no tempo que chegaram as primeiras prostitutas lá…)

vila

“A capital da Argentina é Buenos Dias.”

(e de noite, nuda o nome pra Buenas Noches…)

bandeira

“Ateísmo é uma religião anônima praticada escondido. Na época de Nero, os
romanos ateus reuniam-se para rezar nas catatumbas cristãs.”

(“catatumbas”… hein?!)

cruz

“O nordeste é pouco aguado pela chuva das inundações frequentes”

(é verdade, de São Paulo até o Nordeste, falta construir aquadutos para levar as inundações…)

seca

“Os Estados Unidos tem mais de 100.000 Km de estradas de ferro asfaltadas.”

(NÃO… Eu não lí isso…)

estrada

“Os primeiros emegrantes no ES construiram suas casas de talba.”

(ao mesmo tempo que praticavam tiro ao Álvaro…)

imigrante

“O Brasil não teve mulheres presidentes mas várias primeiras-damas foram do sexo feminino.”

(denúncia gravíssima: isto significa que vários ex-presidentes casaram-se com travestis)

PRESIDENTE

Anúncios

ANÁLISE DE MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS

BRÁS CUBAS

          Memórias Póstumas de Brás Cubas foi publicado pela primeira vez em folhetim, na “Revista Brasileira”, do Rio de Janeiro e, em volume, apareceu, em 1881, impresso  pela Tipografia Nacional.

           É considerada uma obra inovadora e de ruptura com o estilo tradicional: apresenta, além de um narrador já falecido ( um defunto autor),uma estrutura narrativa fragmentada que rompe com a linearidade dos fatos cronológicos.

           A partir da análise de Memórias Póstumas de Brás Cubas, observa-se que sua importância não se limita ao seu enredo, mas sim à novação: da temática, da estrutura e da linguagem.

DEDICATÓRIA DO LIVRO

          “Ao verme que primeiro roeu as frias carnes do meu cadáver dedico como saudosa lembrança estas memórias póstumas”

           A obra apresenta, logo no início, um autor já falecido, chamado Brás Cubas. Sob a forma de um epitáfio, a dedicatória do livro mostra ao leitor que Brás Cubas está morto e que, assim, está livre para falar sem preconceito de sua vida e da vida das pessoas com quem conviveu.

 ESTRUTURA DA OBRA

             A estrutura de Memórias Póstumas de Brás Cubas e classificada como digressiva ( = significa divagação, desvio de rumo ou de assunto e ainda subterfúgio) e fragmentária. Não existe no livro um fator cronológico que lhe dê encadeamento linear e ritmo ágil. Ao contrário, sua sequência narrativa é interrompida por reflexões, longas digressões, explicações de cenas e definições de termos. É o fluir do pensamento de Brás Cubas, que relata tudo quanto vem à consciência, que dita o ritmo da narração.

 FOCO NARRATIVO

            O foco narrativo é em primeira pessoa. O romance é a autobiografia de Brás Cubas, narrador protagonista que se apresenta, no primeiro capítulo, como um defunto autor. O contexto narrativo criado é, portanto, surpreendente: um morto, cansado da vida eterna, resolve escrever suas memórias póstumas. Por estas características a obra pode ser cognominada de confessional, já que o narrador dá sua visão pessoal dos fatos, dos seus pensamentos e suas experiências.

A LINGUAGEM , O RITMO PAUSADO E A PRESENÇA DO LEITOR

              A ironia e o ceticismo que constituem o centro da visão de mundo de Machado de Assis estão expressas na construção das personagens, de grande densidade psicológica, e em uma técnica narrativa peculiar, que consiste em expor a matéria em capítulos curtos e em dialogar o tempo todo com o leitor. Machado trata o leitor por tu, familiarmente, fazendo a ele perguntas, dando explicações, chamando sua atenção para um detalhe ou outro, buscando cumplicidade, sempre cum uma ironia sutil e uma pitada de humor. Assim, estabelece na narrativa pausas, pequenos cortes que apontam para outras direções e dão ao leitor a possibilidade de ver por diversos ângulos.

                  O ritmo vagaroso e as interrupções constantes do narrador, ora para conversar com o leitor, ora para falar sobre coisas que não interessam diretamente ao enredo, são a marca registrada do estilo machadiano. A história, desse modo, anda devagar, com o narrador muitas vezes voltando atrás para contar fatos passados, juntando pedaços, desrespeitando a ordem cronológica tradicional.

CARACTERIZAÇÃO DAS PERSONAGENS

BRÁS CUBAS: personagem que relata sua própria história, fragmentadamente, sem ordem cronológica. É uma pessoa sem objetivos, que vive de rendas e não alcança qualquer realização marcante. Possui personalidade leviana e mesquinha e tira proveito e vantagem das situações, sempre que pode. Bom observador da vida e da sociedade sobre as quais faz reflexões inteligentes. É impressionante observar, ao longo da narrativa a arrogância e prepotência que constituem o caráter do narrador. Diferentemente, do que se esperaria de um narrador protagonista, ele revela os piores traços de sua personalidade, liberado das consequências por sua cômoda posição de defunto autor , que não tem mais nada a perder. A frase final explica o título: “O menino é o pai do homem. “Seu caráter se formou em um ambiente familiar que  favorecia comportamentos prepotentes,

QUINCAS BORBA: amigo de infância de Brás Cubas e criador da teoria Humanitismo. Ora é rico oura é mendigo e vai enlouquecendo progressivamente. Encontra em Brás Cubas um seguidor de sua teoria humanitista que explicaria, entre outras coisas, a razão da existência vazia e sem sentido de Brás Cubas.

MARCELA: prostituta de elite, cujas atitudes são norteadas pelos mais levianos interesses: seu amor por Brás Cubas teria durado: “quinze meses e onze contos de réis”. É o segundo grande amor do protagonista.

VIRGÍLIA: filha do conselheiro Dutra. Casa-se com Lobo Neves por interesse e torna-se amante de Brás Cubas. É uma mulher bonita, de razoável sensualidade, interesseira e de pouca responsabilidade, traços que lhe confere certa leviandade.

PLÁCIDA: empregada de Virgília que acoberta os encontros amorosos do casal: Virgília e Brás Cubas. De forma constante, sente-se, moralmente, agredida pelo papel de alcoviteira que lhe foi imposto pelo casal.

LOBO NEVES: casado com Virgília. Elege-se deputado e entrega-se totalmente à política. Interessado apenas em poder, é mansamente traído pela esposa, consequentemente quase natural da personalidade de ambos e do tipo de casamento que estruturam.

EUGÊNIA: moça bonita, porém coxa, que mantém um romance passageiro com Brás Cubas. É filha de Eusébia e Vilaça.

NHÁ-LOLÓ: pretendente de Brás Cubas. Moça simplória que falece durante uma epidemia de febre amarela.

SABINA:  irmã do narrador e que, como ele, valoriza mais o interesse pessoa e a posição social do que amizade ou laços de parentesco.

COTRIM: casado com Sabina. ambos se revelam interesseiros. Queriam enganar Brás Cubas na patilha da herança.

ENREDO

       De tudo que Brás Cubas narra sobre sua vida, sobressaem-se seus amores juvenis por Marcela, uma prostituta de luxo, que quase dá cabo da fortuna da família do protagonista. A fim de curar-se dessa paixão, Brás Cubas é enviado para Europa, de onde volta doutor, às véspera da morte da mãe.

        Depois de um inconsequente namoro com Eugênia, moça pobre, bonita e defeituosa de uma perna, Brás Cubas fica noivo de Virgília, cujo pai poderia favorecer a almejada carreira política do rapaz. Virgília, no entanto lhe é roubada por Lobo Neves, também candidato a uma carreira política, porém mais decidido que Brás Cubas.

        Anos depois, Brás Cubas – um solteirão – e Virgília – esposa de Lobo Neves – tornaram-se amantes. Vivem, por algum tempo, nesse romance, a paixão que não viveram quando noivos. Depois a paixão esfria, mas se reacende quando Virgília fica grávida de um filho de Brás Cubas. A criança morre antes de nascer e os amantes separam-se. Sabina, irmã de Brás Cubas, arranja-lhe uma noiva – a nhá Loló – Eulália – que, no entanto, morre vítima de uma epidemia. Sem objetivos na vida e entediado Brás Cubas reencontra Quincas Borba, um colega de infância que se diz filósofo e que expõe a Brás Cubas sua filosofia, o Humanitismo. No primeiro reencontro dos dois ex-colegas, Quincas Borba, pobre e miserável, rouba o relógio do amigo; mais tarde, graças a uma herança, refaz sua situação financeira e repõe o relógio.

      Quincas Borba enlouquece e Brás Cubas, procurando uma forma de viver menos tediosa, tenta, em vão, a política. Perseguindo a celebridade, pensa em produzir um remédio que levará seu nome – o emplastro Brás Cubas. Irônica e tragicamente, porém, em uma de suas saídas à rua para cuidar de seu novo projeto, molha-se na chuva e apanha uma pneumonia da qual vem a óbito,  acompanhado, em suas últimas horas, de alguns familiares e de Virgília.

 ANÁLISE

           Memórias Póstumas é uma espécie de antimodelo, de personagem-símbolo da ironia machadiana quanto ao ideal burguês de vencer na vida, a figura de Brás Cubas constitui uma inversão da travessia dos heróis burgueses, tematizados pela literatura realista. Esses heróis, que aparecem nos romances de Stendhal e Balzac, conseguem ascensão social e econômica, pagando por ela o preço do fracasso, no plano afetivo. Com eles o romance realista tem como temática o velho dilema burguês o amor ou o dinheiro, utilizando um processo narrativo de caráter documental, fotográfico, racionalista.

       Machado de Assis, ao escolher a situação fantástica de um morto que conta histórias, e que mesmo estando do outro lado da vida procura mais PARECER do que SER, isto é, que mente, ilude e distorce os fatos, escondendo suas misérias para que sejam vistas como superioridades, questiona tanto a forma quanto o conteúdo do Realismo tradicional.

        Em relação à forma, põe em xeque o mito racionalista da neutralidade do sujeito, da sua isenção perante o que narra, mostrando a parcialidade implícita no ato de narrar.

        Quanto ao conteúdo, transcende os modelos literários consagrados de sua época, vendo no homem burguês um ser humano, com todas as suas imperfeições, complexidade, contradições.

       Portanto, pode-se afirmar que em Memórias Póstumas de Brás Cubas o autor varreu, ousadamente, de um só golpe o sentimentalismo, o moralismo superficial, a fictícia unidade de pessoa humana, as frases piegas, o receio de chocar preconceitos, a concepção do predomínio do amor sore todas as outras paixões. A independência literária, que tanto se buscara, só com esse livro foi selada. Independência que não significa, nem poderia significar, autossuficiência, e sim o estado de maturidade intelectual e social que permite a liberdade de concepção e expressão. Criando personagens e ambientes brasileiros. Machado, nesse quesito, não se julgou obrigado a fazê-los pitorescamente típicos, porque a consciência de nacionalidade, já sendo nele total, não carecia de elementos decorativos. Por todas essas inovações, Machado de Assis pôde ser universal sem deixar de ser brasileiro.

FONTES:

ABAURRE, Maria Luíza M.

                Português: contexto, interlocução e sentido. São Paulo: Moderna, 2008.

FERREIRA, Marina

               Português: literatura, redação, gramática. São Paulo: Atual, 2004.

PEREIRA, Lúcia Miguel.

              História da Literatura Brasileira. Prosa de ficção – Rio de Janeiro, Livraria Olympio 1973.

Evolução do ensino‏

ENSINO

Relato de uma Professora de Matemática:

Semana passada comprei um produto que custou R$ 1,58.
Dei à balconista R$ 2,00 e peguei na minha bolsa 8 centavos, para evitar receber ainda mais moedas.

 A balconista pegou o dinheiro e ficou  olhando para a máquina registradora, aparentemente sem saber o que fazer.

Tentei explicar que ela tinha que me dar 50 centavos de troco, mas ela não se  convenceu e chamou o gerente para ajudá-la.

Ficou com lágrimas nos olhos enquanto o gerente tentava explicar e ela aparentemente continuava sem  entender.

Por que estou contando isso?

Porque me dei conta da evolução do  ensino de matemática desde 1950,  –  foi assim:

01Ensino de  matemática em 1950:
Um cortador de lenha vende um carro de lenha por R$  100,00.
O custo de produção desse carro de lenha é igual a 4/5 do preço de venda ..
Qual é o lucro?

02 – Ensino de matemática em 1970:
Um  cortador de lenha vende um carro de lenha por R$ 100,00.
O custo de produção  desse carro de lenha é igual a 4/5 do preço de venda

        ou R$ 80,00.
Qual é o  lucro?

03 – Ensino de matemática em 1980:
Um cortador de lenha vende um  carro de lenha por R$ 100,00.
O custo de produção desse carro de lenha é R$  80,00.

Qual é o lucro?

04 – Ensino de matemática em 1990:
Um cortador de  lenha vende um carro de lenha por R$ 100,00.
O custo de produção desse carro  de lenha é R$ 80,00.
Escolha a resposta certa, que indica o  lucro:

         ( )R$ 20,00 ( )R$40,00 ( )R$60,00  ( )R$80,00 ( )R$100,00

05 –  Ensino de matemática em  2000:
Um cortador de lenha vende um carro de lenha por R$ 100,00.
O custo  de produção desse carro de lenha é R$ 80,00.
O lucro é de R$ 20,00. Está  certo? ( )SIM ( )  NÃO

06 –  Ensino de matemática em 2009:
Um cortador de lenha vende um  carro de lenha por R$100,00.
        O custo de produção é R$ 80,00. Se você souber ler coloque um X no R$ 20,00.
( )R$ 20,00  ( )R$40,00 ( )R$60,00 ( )R$80,00 ( )R$100,00

07 – Em 2010 vai ser assim:
Um cortador de lenha vende um  carro de lenha por R$100,00.
O custo de produção é R$ 80,00. Se você souber ler coloque um X no R$ 20,00.
Se você é negro, pardo ou indígena não precisa responder.
( )R$ 20,00  ( )R$40,00 ( )R$60,00 ( )R$80,00 ( )R$100,00

E OS ANOS SUBSEQUENTES? 

– Não queira saber.

Sabedoria da Tradição Hebraica‏

CABALA

OS DEZ MANDAMENTOS DA CABALA:

1) Tirando todos os seus bens materiais, seu dinheiro, seu estudo e suas realizações, o que resta é o que você é. Pense nisso hoje. O que você é, em essência?

2) Quando você deseja alguma coisa, o universo lhe ajuda a chegar lá, sem selecionar pensamentos positivos ou negativos. Por isso, cuidado com o que você deseja.

3) Não devemos nos satisfazer com o bem que fazemos dentro da nossa natureza, devemos nos motivar a fazer aquilo que está além da nossa natureza.

4) Muitas pessoas ficam atoladas na escuridão. Mas há também os que ficam atolados na Luz. Ficamos contentes por estar em um “bom lugar” e não nos esforçamos para seguir em frente. É preciso subir sempre.

5) Estamos nesta vida para crescer constantemente, e nossa meta deve ser deixar este mundo sendo uma pessoa melhor do que a que entrou.

6) Achamos que as metas que definimos são o objetivo, mas o verdadeiro objetivo é o processo e a transformação pela qual passamos.

7) Concentre-se totalmente em ver suas situações negativas como oportunidades positivas. E deixe que pensamentos positivos dominem sua mente.

8) Hoje, pondere suas palavras antes de permitir que elas saiam da sua boca. Cinco segundos de reatividade podem destruir uma amizade de dez anos.

9) Não leve tudo para o lado pessoal. Você não é o centro de tudo que acontece. Quanto mais você conseguir domar sua forma de pensar egocêntrica mais feliz você será.

10) Seja paciente consigo mesmo se você não estiver onde gostaria de estar. Lembre-se: há um processo.

COMECE A MUDAR

Para começar a revolução pessoal, Cecilia Ben David, coordenadora pedagógica do Centro da Cultura Judaica de São Paulo, dá as 4 chaves para a mudança:

1)Emuná (crença) – Você deve acreditar que pode mudar.

2) Ratson (vontade) – Você deve extrair forças da sua própria vontade.

3)Avodá (trabalho) – Você deve praticar um programa de introspecção.

4)Oneg (prazer) – Você deve sentir alegria do sucesso.

Despedida do trema

TREMA

Estou indo embora. Não há mais lugar para mim. Eu sou o trema. Você pode nunca ter reparado em mim, mas eu estava sempre ali, na Anhangüera, nos aqüíferos, nas lingüiças e seus trocadilhos por mais de quatrocentos e cinqüentas anos.
Mas os tempos mudaram. Inventaram uma tal de reforma ortográfica e eu simplesmente tô fora. Fui expulso pra sempre do dicionário. Seus ingratos! Isso é uma delinqüência de lingüistas grandiloqüentes!…
O resto dos pontos e o alfabeto não me deram o menor apoio… A letra U se disse aliviada porque vou finalmente sair de cima dela. Os dois pontos disse que seu sou um preguiçoso que trabalha deitado enquanto ele fica em pé.
Até o cedilha foi a favor da minha expulsão, aquele C cagão que fica se passando por S e nunca tem coragem de iniciar uma palavra. E também tem aquele obeso do O e o anoréxico do I. Desesperado, tentei chamar o ponto final pra trabalharmos juntos, fazendo um bico de reticências, mas ele negou, sempre encerrando logo todas as discussões. Será que se deixar um topete moicano posso me passar por aspas?… A verdade é que estou fora de moda. Quem está na moda são os estrangeiros, é o K e o W, “Kkk” pra cá, “www” pra lá.
Até o jogo da velha, que ninguém nunca ligou, virou celebridade nesse tal de Twitter, que aliás, deveria se chamar TÜITER. Chega de argüição, mas estejam certos, seus moderninhos: haverá conseqüências! Chega de piadinhas dizendo que estou “tremendo” de medo. Tudo bem, vou-me embora da língua portuguesa. Foi bom enquanto durou. Vou para o alemão, lá eles adoram os tremas. E um dia vocês sentirão saudades. E não vão agüentar!…
Nós nos veremos nos livros antigos. saio da língua para entrar na história.

Adeus,
Trema.

Joãozinho e Carlos Drummond…

 drummond

   Na sala de aula, o professor sisudo, estava analisando, com seus alunos, aquele famoso poema de Carlos Drummond de Andrade:

“No meio do caminho tinha uma pedra
Tinha uma pedra no meio do caminho.
E eu nunca me esquecerei
Que no meio do caminho tinha uma pedra
Tinha uma pedra no meio do caminho.”

Depois de ter explicado exaustivamente que, ao analisarmos um poema, podemos detectar as características da personalidade do autor, implícitas no texto, o professor pergunta:

– Joãozinho, qual a característica de Carlos Drummond de Andrade que você pode perceber neste poema?

– Se ele não era traficante, ele era usuário….

Análise da obra Iracema

IRACEMA

         Para muitos a palavra IRACEMA é anagrama de AMÉRICA, o novo mundo nascido do cruzamento do velho mundo com o mundo selvagem. Tem-se assim o seguinte esquema:VELHO MUNDO ( Europa/Martim) + MUNDO SELVAGEM (Indígena/ Iracema) = NOVO MUNDO (América/Moacir).

         Consta na obra o subtítulo Lenda do Ceará, simbolizada pelo relacionamento amoroso de Iracema, jovem da tribo dos tabajaras e Martim, colonizador português que aportou na região, por isso não possui o mesmo valor histórico que contém O Guarani ( que tematiza a fundação do Rio de Janeiro). Iracema é classificada como uma obra alegórica que se refere à colonização do Ceará, logo representando a colonização do Brasil. Dessa maneira, pode-se considerar Moacir, o filho do sofrimento, não só o primeiro cearense, mas o primeiro brasileiro.

 ENREDO

       Iracema, que o autor cognominou de “lenda do Ceará”, é uma das mais belas realizações indianistas da prosa romântica e que faz parte da trilogia –  O Guarani, Iracema e Ubirajara. O romance Iracema narra a lenda – criada pelo próprio Alencar – da origem do Ceará, Estado natal do autor, que teria surgido  do amor proibido entre o guerreiro português Martim, que se encontrava em expedição no Brasil, e a virgem Iracema, uma jovem índia, filha do pajé Araquém. Iracema estava impossibilitada de casar-se, porque conhecia o segredo da Jurema – bebida mágica utilizada em rituais religiosos da tribo – e deveria manter-se virgem e fiel a Tupã. Desobedecendo às tradições da tribo, Iracema relaciona-se com Martim, dando origem, pela perspectiva da obra à civilização brasileira. 

FOCO NARRATIVO

         A obra é narrada em terceira pessoa, o narrador dotado de onisciência, isto é, sabe de tudo o que acontece com os seus personagens, mostra-se tão inspirado quanto qualquer exaltado poeta da época, deixando pelo caminho de sua narrativa um rastro de mensagens de amizade, amor, sabedoria, felicidade e família, como se pode observar no fragmento:

“O guerreiro sem a esposa é como a árvore sem folhas nem flores: nunca ela verá o fruto O guerreiro sem amigo é como a árvore solitária que o vento açouta no meio do campo: o fruto dela nunca amadurece. A felicidade do varão é a prole, que nasce dele e faz seu orgulho; cada guerreiro que sai de suas veias é mais um galho que leva seu nome às nuvens, como a grimpa do cedro. Amado de Tupã é o guerreiro que tem uma esposa, um amigo e muitos filhos; ele nada mais deseja senão a morte gloriosa.”

 LINGUAGEM

        De acordo com Manuel Bandeira, Alencar escreveu um romance que se parece mais com um poema. Isso porque o romancista-poeta se utilizou de recursos estilísticos, notadamente de comparações e metáforas da fauna e da flora de nossa natureza, para a caracterização de seus personagens, tanto no aspecto físico quanto no emocional, fazendo-os surgirem amalgamados a essa natureza:

“O gavião paira nos ares. Quando o nambu levanta, ele cai das nuvens e rasga as entranhas da vítima. O guerreiro tabajara, filho da serra, é como o gavião.”

 TEMPO

          A obra em análise se passa por volta de 1600, já com a presença do colonizador europeu. Era uma época de lutas entre portugueses e os invasores franceses e holandeses.” Tempo depois, quando veio Albuquerque, o grande chefe dos guerreiros brancos, Martim e Camarão partirão para as margens do Mearim á castigar o feroz tupinambá e expulsar o branco tapuia.”

ESPAÇO

      As ações romanescas se passaram no território do Cearense. A tribo Tabajara( senhor das aldeias) domina o interior da província. Já a tribo pitiguara ou potiguara( senhor dos vales) domina o litoral, por isso uma tribo de pescadores ou, pejorativamente, os comedores de camarão, segundo os seus inimigos.“  Poti saudou o amigo e falou assim: Antes que o pai de Jacaúna e Poti, o valente guerreiro Jatobá, mandasse sobre todos os guerreiros pitiguaras o grande tacape da nação estava na destra de Batuireté, o maior chefe, pai de Jatobá Foi ele que veio pelas praias do mar até o rio do jaguar, e expulsou os tabajaras para dentro das terras, marcando a cada tribo seu lagar; depois entrou pelo sertão até à serra que tomou seu nome.”

PERSONAGENS

IRACEMA:  índia tabajara, responsável por preparar o licor da Jurema, bebida que provocava alucinações. Apaixona-se por Martim, colonizador português, com quem perde a virgindade, quebrando a tradição da jurema. Iracema representa o amor e a abnegação, morrendo em favor da colonização europeia.

MARTIM: português que passou a viver entre os índios pitiguaras. Seu nome deriva de Marte, deus da guerra, daí dar mais importância às batalhas do que ao amor que nutria  por Iracema. E é a própria Iracema quem o batiza com o nome indígena Coatiabo, guerreiro pintado. Historicamente Martim Soares Moreno participou das lutas contra os holandeses e franceses que invadiram o Nordeste brasileiro.

 POTI: guerreiro pitiguara, amigo de Martim. Convertido ao catolicismo, recebeu o nome de Antônio Filipe Camarão. Historicamente, participou, ao lado dos portugueses, da guerra contra os invasores holandeses, com a patente de capitão-mor dos índios. Em Iracema, Poti simboliza a amizade sincera e inquebrantável.

ARAQUÉM:  pajé dos tabajaras e pai de Iracema. Recebe Martim em sua tribo, julgando-o ser um convidado de Tupã. Simboliza a sabedoria adquirida com a velhice. É responsável, no bosque sagrado, por distribuir os sonhos no momento em que os guerreiros tabajaras bebem o licor da jurema.

CAUBI: irmão de Iracema. É designado por seu pai. Araquém, para ser o guia de Martim até o encontro com Poti. Mais tarde reencontra a irmã, quando pela primeira vez Martim a deixara para guerrear, trazendo-lhe notícias de seu pai Araquém.

ANDIRA: índio tabajara, irmão de Araquém

 IRAPUÃ: chefe dos tabajaras e apaixonado por Iracema. Por isso, o seu ódio por Martim e o desejo de matá-lo. Assim como Poti e Martim, Irapuã é um personagem histórico, só que é inimigo declarado dos portugueses e aliado dos franceses que invadiram o Maranhão.

JACAÚNA: grande chefe dos pitiguaras e irmão de Poti. Outro personagem histórico, foi amigo de Martim, lutando ao seu lado contra os holandeses e franceses.

MOACIR: filho de Iracema e Martim, simboliza não só o primeiro cearense, mas o primeiro brasileiro. Com a morte de Iracema, Martim o leva para Portugal, para depois retornarem, dando início à colonização.

 PRENÚNCIO DA COLONIZAÇÃO

       Em muitas passagens da obra pode-se observar uma visão simbólica do processo de conquista de nosso país pelos portugueses. Nesse sentido,  a cena mais reveladora das consequências da colonização é o momento em que, acompanhando seu amigo Poti, Martim vai conhecer Baturité, velho chefe dos  pitiguaras e avô de Poti. Ao ver um guerreiro português ao lado de seu neto, Baturité interpreta a visão como um sinal enviado por Tupã sobre o futuro do seu povo.

REGÊNCIA VERBAL

regencia verbal

        É a maneira de o verbo relacionar-se com seus complementos.

Eis a regência de alguns verbos importantes, segundo preceitua a norma culta

Quanto à regência verbal, os verbos podem ser:

A

ABANDONAR

Transitivo direto: Não abandones teus projetos.

ABDICAR

Intransitivo: PREPOSIÇÃO EM. Pedro I abdicou em 1831

Transitivo direto:  Os reis abdicaram o trono

Transitivo indireto: PREPOSIÇÃO DE. Não abdicarei de meus direitos.

ABENÇOAR

Transitivo direto: Cristo abençoa os necessitados.

ABORRECER

Transitivo direto: Não o aborreças com problemas.

ABRAÇAR

Transitivo direto: cingir apertar nos braços. A mãe abraçou-a com ternura.

Transitivo direto: adotar, seguir. Os povos bárbaros abraçaram o cristianismo.

ACONSELHAR

Transitivo direto e indireto: sendo que o objeto direto a coisa, e o indireto a pessoa. PREPOSIÇÃO A. Aconselhei à Isabel um bom caminho para ir à praia.

Transitivo direto e indireto: sendo que o objeto direto a pessoa, e o indireto a coisa. PREPOSIÇÃO SOBRE. Aconselhamos os jovens sobre os malefícios da bebida.

ACREDITAR

Transitivo direto ou transitivo indireto sem alteração do sentido.

Transitivo direto: Não acreditava a própria audácia.

Transitivo indireto: PREPOSIÇÃO EM. Não acreditava na própria audácia.

 AGRADAR  – (DESAGRADAR)

Transitivos diretos: contentar, fazer carinhos, mimar, acariciar.Com as mãos calosas, agradava o filho choroso.

Transitivo indireto: satisfazer – PREPOSIÇÃO A.A anedota agradou, inteiramente, à plateia.

AGRADECER

Transitivo direto e indireto: sendo que o objeto direto é sempre coisa, e o indireto é sempre pessoa. PREPOSIÇÃO A. O comerciante agradeceu a preferência aos fregueses.

AJUDAR

Transitivo direto e transitivo direto e indireto.

Ela ajudava a minha irmã.

Transitivo direto e indireto:  PREPOSIÇÃO A

Nós ajudávamos papai a limpar o quintal.

ALMEJAR

Transitivo direto ou transitivo indireto sem alteração do sentido.

Transitivo direto:

Almejamos a paz mundial.

Transitivo indireto: PREPOSIÇÃO POR

Almejamos pela paz mundial.

AMAR
transitivo direto:
Amo meu próximo.
OBS.: Em construções com a PREPOSIÇÃO A, temos objeto direto preposicionado:
Amo a Deus.

ANSIAR

Transitivo direto: no sentido de causar ânsia, angustiar.

O cansaço ansiava-o.

Transitivo indireto:  no sentido de desejar ardentemente  PREPOSIÇÃO POR

“Ansiava por me ver fora daquela casa” (M.A.)

ANTECEDER

Transitivo direto ou transitivo indireto sem alteração do sentido.

Transitivo direto:

Sua partida antecedeu uma série de fatos estranhos.

Transitivo indireto: PREPOSIÇÃO A

Sua partida antecedeu a uma série de fatos estranhos.

ANTIPATIZAR   – ( SIMPATIZAR)

Transitivos indiretos: PREPOSIÇÃO  COM.
Antipatizei com aquela garota.
Simpatizo com  suas  ideias.
OBS.: Estes verbos não são pronominais. Assim, não se deve dizer: “antipatizei-me com ela” ou “simpatizei-me com ela”.

APELAR

Transitivo indireto: no sentido de interpor recurso judicial à instância  PREPOSIÇÃO DE ou PARA . O advogado  apelou da decisão para o Superior Tribunal de Justiça.

 APOIAR-SE

Transitivo indireto:  PREPOSIÇÃO A. O poeta apoia-se à mesa para escrever.


ASPIRAR

Transitivo direto no sentido de sorver, inspirar (o ar), inalar.“´Há máquinas que aspiram o pó do assoalho.” (J.M.G.)

Transitivo indireto no sentido de desejar, ter como ambição. PREPOSIÇÃO A. “Eles aspiram a altas dignidades.”  (M.A.)

OBS.: como o objeto indireto do verbo “aspirar” não é pessoa, mas coisa, não se usam as formas pronominais átonas “lhe” e “lhes” e sim as formas tônicas “a ele (s)”, ” a ela(s).Eles aspiram a elas.

ASSISTIR

Transitivo indireto: quando significa ver, presenciar, caber, pertencer PREPOSIÇÃO A. Os alunos assistiam ao espetáculo.

Transitivo indireto: no sentido de caber, pertencer. PREPOSIÇÃO A. É um direito que assiste ao trabalhador.

Transitivo direto: quando significa socorrer, ajudar, dar assistência, dar ajuda. Uma junta médica assistiu o paciente.

Intransitivo: no sentido de morara, residir é usado com adjunto adverbial de lugar introduzido pela PREPOSIÇÃO EM. O Presidente assiste em Brasília.

OBS.: o verbo assistir no sentido de ver, presenciar, não aceita lhe, lhes como complemento, mas apenas a ele(s), a ela(s). O programa é bom, mas as crianças não podem assistir a ele.

 ATENDER

Transitivo direto: no sentido de acolher, dar atenção. O vendedor atendeu o cliente.

Transitivo indireto: no sentido de responder, tomar em consideração usa-se a PREPOSIÇÃO A. O artista atendeu ao pedido do público.

ATINGIR

Transitivo direto: Esse cantor atingiu o clímax da fama bastante jovem.

 ATIRAR

Transitivo direto: quando significa “arremessar, lançar, arrojar”.Gabriel gosta de atirar nos pássaros.

 AUMENTAR

Transitivo indireto: PREPOSIÇÃO EM. A dívida da Argentina aumentou em tamanho.

AVISAR (CERTIFICAR, INFORMAR, NOTIFICAR, PREVENIR)

Transitivos diretos e indiretos: avisar alguém de alguma coisa – forma mais aceitável. PREPOSIÇÃO DE. Avisarei seu de sua chegada.

Transitivo direto e indireto: avisar alguma coisa a alguém. PREPOSIÇÃO A
Avisarei sua chegada a seu irmão.

B

BATER

Transitivo direto: significando bater alguma coisa. O aluno bateu a porta com violência.

Transitivo indireto: sentido de  bater. a, na, pelas portas, bater em alguém, bater sobre. Alguém bateu à porta quando eu assistia à televisão.

Alguém bateu na porta da sala com uma bengala.
O mendigo batia pelas portas de várias casas a pedir só um prato de
comida.
João foi preso ontem por bater em sua mulher.
Revoltado, o diretor bateu sobre a mesa a mão fechada com extrema raiva.

C

CARECER

Transitivo indireto:  sentido de  precisar, necessitar. PREPOSIÇÃO DE. Careço de atenção de meus pais.

CARREGAR:

Transitivo direto: Carreguei a criança no colo durante a viagem.

 CASAR

Intransitivo: Você casou cedo.

Transitivo indireto: PREPOSIÇÃO COM. Ele é digno de casar com minha irmã.

Transitivo direto e indireto: PREPOSIÇÃO A. “Quatro velas de cera alumiavam-no lugubremente, casando, os seus clarões aos últimos clarões do dia.” ( Júlio Ribeiro)

OBS.: o verbo casar pode aparecer acompanhado de pronome reflexivo. Ele casou-se cedo.

CHAMAR

Transitivo direto: quando significa convocar, fazer vir. Marcela chamou o moleque.

Transitivo indireto:  quando significa  invocar. PREPOSIÇÃO POR. Ela chamava por Jesus.

Com o sentido de “apelidar” pode exigir ou não a preposição, ou seja, pode ser transitivo direto ou transitivo indireto.

Admite as seguintes construções:

Chamaram-no covarde.

Chamaram-no de covarde.

Chamaram-lhe covarde

Chamaram-lhe de covarde.

CHEGAR ( IR)

Intransitivos: não necessitam de complementos.  São normalmente acompanhados de adjuntos adverbiais de lugar. Na língua culta, as PREPOSIÇÕES usadas para indicar direção são A e PARA. A PREPOSIÇÃO EM deve ser usada para indicações de tempo e meio. Chegamos a Salvador em meados de janeiro. Fui ao cinema no domingo. Cheguei a Manaus num velho barco. Fomos para Brasília.

 COGITAR

Transitivo direto ou transitivo indireto sem alteração do sentido.

Transitivo direto: Cogitávamos um novo plano.

Transitivo indireto: PREPOSIÇÕES  DE ,EM. Cogitávamos de um novo plano.

Cogitávamos em um novo plano.

COMUNGAR

Transitivo direto: sentido de dar comunhão.  O padre comungou meu filho ontem.

Transitivo indireto: significado de estar de acordo, participar, pode vir com PREPOSIÇÕES: DE, EM, COM ,COMO Os irmãos comungavam às mesmas ideias.

“Gabeira voltou ao Brasil para comungar das (com as/nas) liberdades e
dos direitos e deveres democráticos.”

COMPARAR

Transitivo direto e indireto: PREPOSIÇÕES A ou  COM para introduzir o objeto indireto. Comparei seu comportamento ao (ou com o) de uma criança.

 COMPARTILHAR

Transitivo direto: Não compartilhamos essa opinião.

COMUNICAR

Transitivo direto e indireto: sendo que o objeto direto é sempre coisa, e o indireto é sempre pessoa. PREPOSIÇÃO A. Os vizinhos comunicaram o roubo à polícia.

OBS.: na língua cotidiana se usado assim: Os vizinhos comunicaram a polícia sobre o roubo. Ninguém deve comunicar alguém sobre alguma coisa, mas comunicar alguma coisa a alguém.

CONFIAR

Transitivo indireto: PREPOSIÇÃO EM Os homens confiam em Deus.

CONFRATERNIZAR

Transitivo indireto: PREPOSIÇÃO COM. Os professores confraternizaram com os alunos no final do ano letivo.

OBS.: o verbo confraternizar quando indica reciprocidade, o pronome “se” é dispensável.

CONHECER

Transitivo direto: Conheço minha função nesta empresa.

CONSENTIR

Transitivo direto ou transitivo indireto sem alteração do sentido.

Transitivo direto: Os deputados consentiram a adoção de novas medidas econômicas.

Transitivo indireto: PREPOSIÇÃO EM Os deputados consentiram na adoção de novas medidas econômicas.

CONSERVAR

Transitivo direto: Conserves tuas ideias e lutes por elas.

 CONSISTIR

Transitivo indireto: PREPOSIÇÃO EM. O amor fraterno consiste em respeitar o próximo.

CONSTITUIR (-SE)

Transitivo direto: Você precisa constituir família.

CONTENTAR

Transitivo direto: sentido de agradar, satisfazer.Em seu aniversário fiz uma bela festa para contentá-la.

Transitivo indireto: sentido de ficar contente, o verbo é pronominal. PREPOSIÇÕES “COM, DE, EM”. Contento-me com o mínimo. Contentou-se em viajar para a praia

CONTRIBUIR

Transitivo indireto: PREPOSIÇÕES COM, PARA. A população brasileira contribuiu com agasalhos. O professor contribui para o aluno vencer..

OBS.: Quando se usar o verbo “contribuir”, a preposição “com” deverá introduzir o meio utilizado para a contribuição (dinheiro, mão-de-obra, mantimentos, roupas, etc.); já a preposição “para” introduzirá o beneficiário da contribuição.

CONVIDAR

Transitivo direto: Ele convidou todos os amigos para a festa.

CUSTAR

Intransitivo: no sentido de ter determinado valor ou preço. O combustível não deveria custar muito.

Intransitivo: no sentido de ser difícil, penoso. Muito custa viver sozinho.

Transitivo indireto: tendo como sujeito uma oração reduzida de infinitivo. Custa-me acreditar nisso.

Transitivo direto e indireto: A imprudência custou-lhe lágrimas amargas.

D

DEPARAR

Transitivo direto ou transitivo indireto sem alteração do sentido.

Transitivo direto: Deparamos uma bela paisagem em nosso passeio.

Transitivo indireto: PREPOSIÇÃO COM. Deparamos com uma bela paisagem em nosso passeio.

DESCULPAR

Transitivo direto e indireto: pedir desculpas, perdoar e justificar. PREPOSIÇÕES DE, POR
Desculpei meus amigos de /por me ter magoado.
Toda mãe sempre desculpa os erros de seus filhos.

DESDENHAR

Transitivo direto ou transitivo indireto sem alteração do sentido.

Transitivo direto: Autoritariamente, desdenhou os motivos da revolta popular.

Transitivo indireto: PREPOSIÇÃO DE Autoritariamente, desdenhou dos motivos da revolta popular.

DIGNAR-SE

Transitivo Indireto: pronominal  usa-se a PREPOSIÇÃO DE O professor nem se dignou de me  responder.

OBS.:  é comum, em textos formais, encontrar esse verbo com a PREPOSIÇÃO DE oculta. Ex.: O sindicato se dignou ouvir as proposta dos trabalhadores.

No dia a dia , esse verbo é usado com as preposições “em” ou “a”, sendo esse uso inadequado, já que não é aprovado por gramáticos e dicionaristas.

E

ELEGER

Transitivo direto: Os alunos elegeram-na presidente.

ENCONTRAR

Transitivo direto: no sentido de achar, avistar. Encontrei-o na praia.

Transitivo indireto: no sentido de deparar com alguém, ter ou marcar um encontro. PREPOSIÇÃO COM. Durante as férias, encontramos com vários colegas de sala.

Pronominal quando significar estar, achar-se em. PREPOSIÇÃO EM O professor encontra-se em sua sala.

ENTRETER-SE

Transitivo indireto: PREPOSIÇÕES A,COM, EM As crianças entretiveram-se com seus brinquedos. Às vezes,   nos entretínhamos em recordar o passado.

ENSINAR

Transitivo direto e indireto: sendo que o objeto direto é sempre coisa, e o indireto é sempre pessoa. PREPOSIÇÃO A. O professor ensinou período composto aos alunos.

ENVIAR

Transitivo direto e indireto:sendo que o objeto direto é sempre coisa, e o indireto é sempre pessoa. PREPOSIÇÃO A. O sindicato enviou a proposta aos operários.

ESPERAR

Transitivo direto: Esperei o resultado ansiosa.

ESQUECER:

Transitivo direto:   não é pronominal. Ele esqueceu o caderno.

Transitivo indireto:   é pronominal. PREPOSIÇÃO DE. Ele se esqueceu do caderno.

ESTIMAR

Transitivo direto: no sentido ter afeição ou amizade a, apreciar, avaliar, congratular-se por, ser de opinião, achar. Estimo meus filhos.

O professor de literatura estima muito os romances de Machado de Assis.

OBS.: com o significado de prezar-se, apresenta-se como pronominal. Geralmente, estima-se a pessoa educada.

EXIGIR

Transitivo direto: A plateia exigia a devolução dos ingressos.

F

FELICITAR

Transitivo direto e indireto: PREPOSIÇÃO POR. Felicito-a pelo seu desempenho no curso.

FUGIR

Transitivo indireto: PREPOSIÇÕES A , DE. Fugiram ao cerco da polícia. Ele foge de qualquer briga.

G

GOSTAR

Transitivo indireto: PREPOSIÇÃO DE. Gosto de comodidade.

GOZAR

Transitivo direto ou transitivo indireto sem alteração do sentido.

Transitivo direto: Gozava privilégios impudicos.

transitivo indireto: PREPOSIÇÃO DE. Gozava de  privilégios impudicos.

I

IMPLICAR

Transitivo direto: sentido de dar a entender, fazer supor, pressupor. Suas atitudes implicavam um firme propósito.

Transitivo direto: sentido de ter como consequência, acarretar, provocar. Sua atitude implicará demissão.

Transitivo indireto: no sentido de impacientar-se, demonstrar antipatia. PREPOSIÇÃO COM. Vivia implicando com o irmão mais novo.

Transitivo direto e indireto: significa comprometer, envolver. PREPOSIÇÃO EM. Implicaram aquele jornalista em questões econômicas.

INFORMAR

Transitivo direto e indireto: avisar alguém de alguma coisa. PREPOSIÇÕES DE, SOBRE. Informei o aluno da nota. O ministro informou o povo sobre a situação financeira do país.

Transitivo direto e indireto: avisar alguma coisa a alguém. PREPOSIÇÃO A. Informei a nota ao aluno.

Transitivo direto: sentido de esclarecer. Os jornais informou o público

INSISTIR

Transitivo indireto: PREPOSIÇÃO EM. Meus pais insistiam em que eu voltasse a estudar.

INTERESSAR

Transitivo direto e indireto: quando significa prender a atenção, despertar a curiosidade. PREPOSIÇÃO EM. Por meio desse novo método, consegui interessá-lo em matemática.

Transitivo indireto: pronominal com o sentido de ser proveitoso, útil, empenhar-se PREPOSIÇÃO EM. Ele não se interessa nas aulas de física.

IR

Intransitivo: PREPOSIÇÃO A. Aos domingos, ele vai à missa.

L

LEMBRAR

Transitivo direto: não é pronominal. Não lembro o seu nome.

Transitivo indireto: é pronominal. PREPOSIÇÃO DE. Não me lembro do seu nome.

Transitivo direto: fazer recordar. Esse rapaz lembra o pai em tudo.

Transitivo direto e indireto: advertir, recordar. PREPOSIÇÃO  A. Lembrei a meus amigos o dia do meu aniversário

M

MALOGRAR-SE (verbo pronominal)
Intransitivo:  no sentido de perder-se:
Essas providências fizeram o plano terrorista malograr-se.

MEDITAR

Transitivo indireto:  no entanto, possui duas regências sem mudança em seu significado.

(SOBRE OU EM ALGUMA COISA)
À noite, sempre medito sobre (em) minha vida.

MORAR

Intransitivo: não necessita de complemento. É acompanhado de um adjunto adverbial. Na língua culta  usa-se a PREPOSIÇÃO EM. Moramos em bairro pobre.

OBS.: Em dicionários de regência, como os de Celso Luft e de Francisco Fernandes, vemos que o uso da preposição “a” com os verbos morar e residir é mais comum na linguagem burocrática, apesar de também aparecer em textos literários. Mas só há registros disso antes de rua, praça, avenida (palavras femininas). Não há registro, por exemplo, de “Mora ao Largo da Carioca”, “Reside ao Beco da Mota” etc. Já a preposição “em” é inquestionavelmente correta em qualquer desses casos: “Mora na Rua Prudente de Morais”, “Reside no Largo do Machado”, etc.

N

NAMORAR

Transitivo direto: Ainda não namorei Selma, mas um dia vou namorá-la.

OBS.: na língua cotidiana se vê usado com a preposição com, influência do italiano.

NECESSITAR

Transitivo direto ou transitivo indireto sem alteração do sentido.

Transitivo direto: Necessitamos algumas horas para preparar a apresentação. 

Transitivo indireto: PREPOSIÇÃO DE. Necessitamos de algumas horas para preparar a apresentação.

O

OBEDECER –  ( DESOBEDECER)
Transitivos indiretos:  PREPOSIÇÃO A. Aqui todos obedecem ao regulamento.

OBS.: quando o objeto indireto é coisa, não aceitam lhe, lhes, mas a ele(s), a ele(s). O regulamento é esse, e todos obedecem a ele. As leis são essas, mas todos desobedecem a elas.

Mesmo sendo transitivos indiretos, admitem seu emprego na voz passiva. O regulamento é obedecido por todos.

OBSTAR 

Transitivo indireto: no  sentido de opor-se, impedir, servir de obstáculo. PREPOSIÇÃO A
É um congresso que obsta ao desenvolvimento social do país.

OLHAR

Transitivo indireto: sentido levar em conta. PREPOSIÇÃO A. Quando vou a compras, não olho a preços.

P

PAGAR – PERDOAR

Transitivos diretos e indiretos: com objeto direto para coisa e objeto indireto pessoa. PREPOSIÇÃO A. Paguei todas as minhas dívidas a meus credores.

OBA.: Segundo Luiz Antônio  Sacconi, no caso de pagar, podemos empregar a coisa pelo seu proprietário. Nenhum aluno ainda pagou ao colégio.

Há muita diferença entre pagar o colégio e pagar ao colégio: no primeiro caso, só o proprietário, o dono dele pode exercer a ação verbal. Ambos admitem o seu emprego na voz passiva: Meus credores foram pagos ontem. O colégio foi pago no dia 10. O filho não será perdoado pelo pai.

PEDIR

Transitivo direto e indireto: Transitivos diretos e indiretos: com objeto direto para coisa e objeto indireto pessoa. PREPOSIÇÃO A. Pedi a ela que me telefonasse. Pedi um presente a ela.

OBS.: a norma culta só admite pedir para quando há ideia de licença ou permissão subentendida. O aluno pediu para sair da sala.

PERMITIR
Exige objeto indireto de pessoa: (constrói-se com o pronome lhe)
A empregada permitiu ao repórter que entrasse. (Rege a preposição a)
A empregada permitiu-lhe que entrasse. (Transitivo direto e indireto)

PERSUADIR

Quando significa “levar a crer, induzir a acreditar”, pede objeto direto e indireto. PREPOSIÇÃO DE . É preciso persuadir João dessas verdades.

Também com o sentido de “instigar”, pede objeto direto e indireto. PREPOSIÇÃO A. Com esta mentira, persuadiu Lúcia a fugir.

PISAR

Transitivo direto: Não pise a grama. A cantora pisou o palco duas horas atrasada.

 POUPAR

Transitivo direto e indireto: poupar alguém de alguma coisa ou poupar alguma coisa a alguém. PREPOSIÇÕES DE, A
Poupe seu filho desse castigo.
Poupe esse castigo a seu filho.

 PRECEDER

Transitivo direto ou transitivo indireto sem alteração do sentido.

Transitivo direto: Intensas manifestações populares precederam a mudança de regime.

Transitivo indireto: PREPOSIÇÃO A. Intensas manifestações populares precederam à mudança de regime.

 PREFERIR

Transitivo direto e indireto: PREPOSIÇÃO A. Prefiro cinema a teatro.

OBS.: o verbo preferir, na língua culta, deve ser usado sem termos intensificadores com: muito, antes, mil vezes, um milhão de vezes. Segundo os gramáticos que fazem essa observação, a ênfase já é dada pelo prefixo verbal ( “pre” de preferir)

 PREJUDICAR

Transitivo direto: A medida aprovada pelo governo prejudicou a população.

 PRESIDIR

Transitivo direto ou transitivo indireto sem alteração do sentido.

Transitivo direto: Ninguém presidia o encontro

Transitivo indireto: PREPOSIÇÃO A. Ninguém presidia ao encontro.

OBS.: este verbo rejeita as formas lhe e lhes como complemento. Usam-se, então, as formas a ele, a ela, a eles, a elas: A reunião foi conturbada. Não fui eu quem presidiu a ela.


PREVENIR

Transitivo direto: A prudência previne as desgraças.

Transitivo direto e indireto: com a significação de avisar com antecedência. Com objeto direto para pessoa e objeto indireto coisa. PREPOSIÇÃO DE. O serviço de meteorologia preveniu-a do mau tempo.

 PROCEDER

Intransitivo:  no sentido de ter fundamento ou agir. Nessa acepção, vem acompanhado de adjunto adverbial de modo. Você procede muito mal.

Transitivo indireto:  nos sentidos de ter origem ou dar início. PREPOSIÇÕES DE , E. O avião procede de Brasília. Procedeu-se aos exames.

PROCURAR
Transitivo direto: no sentido de  buscar. Estava procurando os documentos.
Transitivo indireto: esforçar-se por achar .  PREPOSIÇÃO POR. Estava procurando por provas.

 PROPOR

Transitivo direto e indireto. PREPOSIÇÃO A. Nós lhe propomos um acordo irrecusável.

PROTEGER

Transitivo direto. A mãe protege seu filho.

PUXAR
Transitivo direto: no sentido de arrastar. O menino puxou a amiga pelo braço.
Transitivo indireto: no sentido de parecer. PREPOSIÇÃO A. O menino puxou ao pai: é muito impulsivo.
OBS.: alguns gramáticos aceitam ainda a preposição por: O menino puxou pelo pai: é muito impulsivo.

Q

 QUERER

Transitivo direto: no sentido de desejar, ter vontade, cobiçar. Queremos melhores condições de vida.

Transitivo indireto: no sentido de ter afeição, estimar, amar. PREPOSIÇÃO A.. Queremos muito aos nossos companheiros.

R

 RENUNCIAR

Transitivo direto ou transitivo indireto sem alteração do sentido.

Transitivo direto: Não renuncie o motivo de sua luta.

Transitivo indireto: PREPOSIÇÃO A. Não renuncie ao motivo de sua luta

REPARAR

Transitivo indireto: no sentido de observar PREPOSIÇÃO EM. Fernando reparava nas roupas de Carolina sempre que ela entrava na sala de aula.

Transitivo direto: no sentido de consertar. Carlos reparou o carro para ir a Teresópolis.

REFERIR

Transitivo direto e indireto:  no sentido de narrar, contar, com objeto direto de coisa e indireto de pessoa A PREPOSIÇÃO A. O avô refere várias histórias aos netos.
transito indireto: na acepção de dizer respeito é pronominal.  PREPOSIÇÃO A
Não me referia a seu irmão.

RESIGNAR

Transitivo direto: com o significado de renunciar, desistir. Jorge resignou o cargo de diretor.

Transitivo indireto: com o significado conformar-se, é pronominal. PREPOSIÇÃO COM. Por acreditar na Justiça Divina, resigno-me com minhas dores.

RESPEITAR

Transitivo direto: Respeito seu passado.

RESPONDER

Transitivo indireto: PREPOSIÇÃO A. Responderam às questões propostas.

OBS.: admite voz passiva, desde que o sujeito seja aquilo a que se responde. Todas as perguntas foram respondidas satisfatoriamente.

REVERTER

Transitivo indireto: no sentido de voltar ao primitivo estado ou ao que foi antes, regressar  PREPOSIÇÃO A. João, funcionário aposentado, reverteu à ativa.
Transitivo indireto:  no sentido de voltar para a posse de alguém.  PREPOSIÇÃO A.
O imóvel reverterá ao legítimo dono.

Transitivo indireto: no sentido de redundar em, destinar-se, converter-se. PREPOSIÇÃO EM. A renda do espetáculo reverterá em benefício dos desabrigados.
OBS.: é incorreto o uso deste verbo no sentido de mudar, inverter.

S

 SATISFAZER

Transitivo direto ou transitivo indireto sem alteração do sentido.

Transitivo direto: Era difícil conseguir satisfazê-la.

Transitivo indireto: Era difícil conseguir satisfazer-lhe.

SENTAR

Transitivo indireto: no sentido de tomar assento. PREPOSIÇÃO: A
Sentar-se à mesa.

SERVIR

transitivo direto no sentido de prestar serviço e no de pôr sobre a mesa.
As empregadas ainda não serviram os convidados.
Sirva o almoço, Hortênsia!

SIMPATIZAR

Transitivo indireto: PREPOSIÇÃO  COM. Simpatizo com os que defendem a proibição da caça as baleias.

SOBRESSAIR (Não é pronominal.) A Miss Bahia sobressaiu entre todas as candidatas.

 SOCORRER

Transitivo direto: A enfermeira socorreu o paciente.

SOLICITAR
Transitivo direto e indireto:  com objeto direto de coisa e indireto de pessoa, de preferência com a PREPOSIÇÃO DE, mas pode aparecer também com a PREPOSIÇÃO A. Solicitei do (ou ao) chefe uma folga de três dias.

 SUBIR

Intransitivo:  PREPOSIÇÃO A OU EM: Sobem ao céu rolos de fumaça.
Chegou até subir no banco.

SUCEDER

Transitivo indireto:  quando significar substituir, ser o sucessor de. PREPOSIÇÃO A. Pedro I sucedeu a D. João VI.  Eu lhe sucedi na presidência do grêmio estudantil.

É também pronominal no sentido de “acontecer depois, seguir-se”.PREPOSIÇÃO A. O que se sucedeu ao acidente, ninguém sabe.

OBS.: Neste último sentido, o verbo apresenta-se defectivo, sendo conjugado apenas na terceira pessoa do singular e do plural.

SUPORTAR

Transitivo direto: Suportei-o por muito tempo.

V

VER

Transitivo direto:  A população viu o presidente.

VERSAR

Transitivo direto ou transitivo indireto sem alteração do sentido.

Transitivo direto: Sua palestra versou o estilo dos modernistas.

Transitivo indireto: PREPOSIÇÃO SOBRE. Sua palestra versou sobre o estilo dos modernistas.

VISAR

Transitivo direto: quando significa dar visto e “mirar” . O gerente negou-se a visar esses documentos

Transitivo direto: quando significa mirar. O caçador visava a cabeça do rinoceronte.

Transitivo indireto:  quando significa desejar, almejar, pretender, ter em vista é PREPOSIÇÃO  A. Essas medidas visavam a uma reestruturação do ensino público.

OBS.: Quando o verbo “visar” é seguido por um infinitivo, a preposição é geralmente omitida.

Ele visava atingir o posto de comando.

VISITAR

Transitivo direto: Ontem, visitei meu amigo. 

ALMEIDA, N. M. Dicionário de questões vernáculas. São Paulo, Caminho Suave, 1981.
 Gramática metódica da língua portuguesa.  28. ed. São Paulo, Saraiva, 1979.
 Gramática metódica da língua portuguesa. 44. ed. São Paulo, Saraiva, 1999.

ANDRÉ, H. A.
Gramática ilustrada. 2. ed. São Paulo, Moderna, 1982.

BECHARA, E. Moderna gramática da língua portuguesa. 22. ed. São Paulo, Nacional, 1977.

 INFANTE, Ulisses. Gramática. São Paulo, Scipione Ltda 1995

Dicionário prático de regência verbal. São Paulo, Ática, 1987

Sacconi, Luiz. Nossa Gramática Completa  31º ed. São Paulo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

NORMAL?!!!

TEMOS QUE PEDIR PERDÃO…

* VOCÊ SE ACHA INFELIZ ???

PERDÃO 01

* Você acha que seu salário é baixo ?

PERDÃO 02

* Você acha que tem poucos amigos ? …

PERDÃO 03

* Você pensa em desistir ?

PERDÃO 04

* Você acredita que seu trabalho é exaustivo ?

PERDÃO 05

* Você reclama sobre o seu sistema de transporte ?

PERDÃO 06

*A vida é injusta com você ?

PERDÃO 07

*Estudar te chateia? A eles não.

PERDÃO 08

*Odeia verduras? Eles morrem de fome..

PERDÃO 09

*O carinho de seus pais cansa você? Eles não tem nenhum…

PERDÃO 10

*Enjoado dos mesmos jogos? Eles não tem opção!

PERDÃO 11

*Alguém te deu um adidas em vez de um Nike? Eles só tem uma marca!

PERDÃO 13

*Não está agradecido por uma cama para dormir? Eles gostariam de não acordar!

PERDÃO 14

* Aproveite a sua vida como ela é. E lembre de sempre agradecer a Deus por tão grande generosidade e misericórdia.

TESTE DE PERSONALIDADE

PESSOA

TESTE DE PERSONALIDADE DO DALAI LAMA ( MUITO LEGAL)

O Dalai disse:…. leia isto e você conhecerá como você é
verdadeiramente.

É um teste de personalidade muito interessante.

Faça! São únicas 4 perguntas e você será pego de surpresa nas
respostas.

A mente é como um pára-quedas, ela trabalha melhor quando abre um.

É divertido fazer isto, mas você deverá seguir corretamente as
instruções.

Advertência: responda o questionário como você tem sido ultimamente.

Só há 4 perguntas. Se você ver o questionário inteiro antes de
terminar, não obterá resultados honestos.

Vá baixando lentamente e faça cada exercício com consciência.

Não olhe à frente.

Use lápis e papel para escrever suas respostas.
Você precisará disso até o fim.

Este é um questionário honesto que lhe contará muito sobre
seu eu.

TESTE

Faça um desejo antes de começar o teste.

1. Ordene os seguintes 5 animais de acordo com sua preferência:

a. Beija-flor

b. Cavalo

c. Borboleta

d. Cachorro

e. Pássaro

2. Escreva uma palavra que descreva cada um dos seguintes elementos:

a. Cachorro

b. Gato

c. Rato

d. Café

e. Mar

3. Pense em alguém que conheça que seja importante para você, e
relacione com as cores seguintes (por favor, não repita sua resposta duas
vezes, nomeie uma pessoa só para cada cor):

a. Amarelo

b. Laranja

c. Vermelho

d. Branco

e. Verde

4. Finalmente, indique o seu dia favorito da semana.

Terminou?

Veja as interpretações abaixo, mas antes de ver, repita seu desejo.

1. Isto definirá suas prioridades na vida:

Beija-flor: significa carreira.

Cavalo: significa orgulho

Borboleta: significa amor.

Cachorro: significa a família

Pássaro: significa dinheiro.

2. Sua descrição de Cachorro insinua sua própria personalidade.

Sua descrição de Gato insinua a personalidade de seu par.

Sua descrição de Rato insinua a personalidade de seus inimigos.

Sua descrição de Café mostra como você interpreta o sexo.

Sua descrição de Mar insinua sua própria vida.

3. Amarelo: alguém que você nunca esquecerá.
Laranja:alguém que você pode considerar seu verdadeiro amigo(a).
Vermelho: alguém a quem realmente amas.
Branco: sua alma gêmea.
Verde: uma pessoa que você se lembrará para o resto de sua